Projeto Mochila Viajante

Projeto Mochila Viajante

A Revista Internacional de Espiritismo entrevistou Vinicius Lara sobre o tema "As crianças e o Evangelho no lar", e este relata sobre o inédito "Projeto Mochila Viajante".

Na entrevista, Vinícius Lara relata:

"O projeto da Mochila Viajante foi implementado por nossa equipe de evangelização, na casa espírita em que trabalhamos na cidade de Juiz de Fora. O objetivo da atividade é incentivar a prática do culto do Evangelho no Lar, tendo como ponto de partida a criança.

Para alcançar este destino, confeccionamos duas mochilas de tecido que são sorteadas semanalmente nas atividades da escola de evangelização. A criança premiada leva o item para casa e deverá trazê-lo na próxima semana, a fim de que seja novamente sorteado e perpasse a rotina de todos os alunos. Dentro da mochilinha seguem alguns itens: um exemplar de O Evangelho segundo o Espiritismo – como presente à família -, um exemplar do livro Pai Nosso, ditado pelo Espírito Meimei através da psicografia de Francisco Cândido Xavier – dedicado ao estudo da criança -, um caderno para que o pequeno anote ou desenhe o que aprendeu no culto no lar e, finalmente, um bonequinho de Jesus, confeccionado artesanalmente e que acabou tornando-se o mascote do trabalho. Como a mochila é reutilizável, os custos de criação  manutenção do projeto são relativamente baixos e impactam de maneira muito posiiva na rotina das crianças.

Temos falado sobre o projeto em diversos lugares por onde realizamos palestras e os resultados são igualmente bons naqueles que o implantaram com o objetivo de estimular na criança, o amor e o compromisso com o culto do Evangelho no Lar."

Extraído de:

Lara, Vinicius. As crianças e o Evangelho no lar – Entrevista. Revista Internacional de Espiritismo. Ano XCV, No. 2. Março de 2020. p. 57-59.

Pesquisa sobre o estudo do Evangelho entre espíritas

Pesquisa sobre o estudo do Evangelho entre espíritas

Antonio Cesar Perri de Carvalho

Uma pesquisa realizada na Universidade Federal de São Carlos gerou a Dissertação de Mestrado “Jesus a porta, Kardec a chave”: a apropriação do Novo Testamento pelo segmento espírita, de autoria de Natália Cannizza Torres. Esta Dissertação foi defendida e aprovada no 1o Semestre de 2019 junto ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar para obtenção do título de Mestre em Sociologia, contando com orientação do Professor Doutor André Ricardo de Souza, do Departamento de Sociologia da UFSCar.

O estudo é muito interessante e fez-se o registro histórico desde a chegada do espiritismo no Brasil, comentando-se que muitas foram as correntes adotadas pelos seus adeptos em função de conceitos relacionados com aspectos religioso, filosófico e científico. Evidente que o tema foi tratado com fundamento em autores das ciências sociais, notadamente vinculados à sociologia da religião.

A pesquisa de Natália Cannizza Torres focalizou o aspecto religioso do Espiritismo, em que realça o papel significativo das obras psicografadas por Francisco Cândido Xavier, notadamente de autoria do espírito Emmanuel. Inclusive, no final, apresenta Tabelas sobre os livros de Emmanuel que comentam versículos do Novo Testamento.

A Dissertação de Mestrado aponta que o processo de estudo em pauta surgiu em meados do século XX, mas ganhou impulso de propagação nesta 2a década do século XXI: o estudo interpretativo do Novo Testamento, o qual começou em Belo Horizonte e que principalmente a partir da criação do NEPE (Núcleo de Estudo e Pesquisa do Evangelho), junto à Federação Espírita Brasileira em 2012 e que mesmo após sua desativação em 2015, a prática se expandiu pelo país. Tal pesquisa aponta que o estudo bíblico vem, aos poucos, tornando-se uma nova prática estrutural espírita.

A autora entende que este processo de estudo constitui-se como um fator contribuinte para o grande crescimento espírita na atual década. Em face dessa modalidade de estudo em curso e do processo de criação de organizações espíritas abarcando os chamados NEPEs (Núcleo de Estudo e Pesquisa do Evangelho), Miudinho (designação de estudo detalhado do Novo Testamento notabilizado por Honório Abreu) e EMEJs (Estudo Minucioso do Evangelho de Jesus), nota-se o mesmo efeito sociológico que o culto do Evangelho no Lar acarretou a partir dos anos 1960, porém agora em relação ao estudo do Novo Testamento, ou seja, admite que centros espíritas podem estar começando a surgir a partir de tais grupos, tal como surgiram no passado a partir de familiares grupos dedicados ao chamado “Evangelho no Lar”.

A Dissertação apresenta dados muito interessantes e até sintetiza-os em Tabelas. Atualmente, existem 59 NEPEs em diferentes centros espíritas, espalhados por 14 unidades federativas do país, sendo um na região Norte, vinte e dois no Nordeste, quatro no Centro-Oeste, vinte e um no Sudeste e onze no Sul. Os EMEJs, por sua vez, não são contabilizados pela União Espírita Mineira, enquanto a prática do denominado “Miudinho” (stricto sensu) somente foi localizado na cidade mineira de Uberaba.

A investigação foi feita junto a coordenadores de grupos de estudo bíblico, principalmente de Minas Gerais, em São Carlos, município do interior paulista que tem se destacado por tal atividade espírita e onde foi feita pesquisa de campo. A autora também entrevistou diversos dirigentes espíritas vinculados ao objeto de sua pesquisa e os relaciona na Dissertação.

A autora Natália Cannizza Torres opina: “A melhor maneira de entender a importância desse movimento foi perceber que, ao ser instituído na FEB, o NEPE ganhou status de prática oficial e ganhou força para se espalhar pelo Brasil, instalando-se nos centros espíritas. Mesmo depois que foi dissolvido na FEB, o NEPE manteve sua dinâmica em outros lugares, na capilaridade dos centros espíritas. O trabalho religioso espírita centrado no estudo bíblico teve como grande pioneiro Honório Abreu, a partir dos anos 1950.” E neste contexto do século XXI, destaca o “papel de seu seguidor Haroldo Dutra Dias, bem como de Wagner Gomes Paixão; registra o reforço pela participação da família de Antonio Cesar Perri no âmbito da FEB, no qual surgiu o primeiro NEPE”. Na opinião da autora “o trabalho religioso mais significativo foi a tradução de parte do Novo Testamento por Haroldo Dutra Dias”.

Todavia, Natália comenta na Dissertação que este “prestígio de Haroldo Dias foi relativizado quando Frederico Lourenço, professor de literatura da Universidade de Coimbra publicou, em 2018, a tradução do Novo Testamento, direto do grego e completa, fazendo com que os atores espíritas considerassem-na também, quando de seus estudos e pesquisas.”

Nessa Dissertação de Mestrado a autora comenta que ”o III Congresso Espírita Brasileiro (abril de 2010) e as produções de filmes e telenovelas espíritas, que surgiram a partir de 2010, foram os principais fatores que contribuíram para o crescimento demográfico espírita na segunda década do século XXI. Mas vale a pena fazer a contraposição, ou a comparação, entre esse movimento espírita de direcionamento e encaminhamento crescente ao culto da Bíblia e a dinâmica nacional de crescimento das igrejas evangélicas, simultaneamente à diminuição do catolicismo. A coincidência, nessa década, entre a aceleração do crescimento espírita e a disseminação da prática de estudos bíblicos em seu meio suscita uma questão sociológica pertinente."

De nossa parte, parecem-nos marcantes os dados obtidos pela nova Mestre em Sociologia. Constatou-se que surtiu efeito produtivo o esforço iniciado com a implantação do NEPE da FEB, com a proposta analisada e aprovada pelos órgãos diretivos da FEB entre julho e outubro de 2012, durante nossa gestão como presidente interino desta Instituição. O lançamento do NEPE da FEB ocorreu na sede da instituição, em Brasília, no dia 2 de março de 2013, com o auditório lotado. Houve atuação da Comissão do NEPE: coordenação de Haroldo Dutra Dias; membros: Ricardo Mesquita, Simão Pedro de Lima, Wagner Gomes da Paixão, Afonso Chagas, Célia Maria Rey de Carvalho e Flávio Rey de Carvalho. Na mesa estavam presentes o presidente interino Antonio Cesar Perri de Carvalho e a vice-presidente da FEB Marta Antunes de Moura, ambos com participação na oficina de estudo. O NEPE da FEB foi extinto a partir de abril de 2015, mas a ideia e a prática originais se disseminaram como foi demonstrado pela Dissertação de Mestrado da UFCar e como se constata em nossos dias pela circulação de informações pelas redes sociais.

Essa Dissertação de Mestrado trata de maneira inédita o estudo do Novo Testamento no movimento espírita, com fundamentos acadêmicos, e, focaliza a visão espírita, relacionando dados e fontes obtidos na literatura acadêmica e espírita, nas entrevistas e nos contatos com dezenas de grupos de estudos espíritas do país. Sem dúvida, contribui com análises sociológicas e informações históricas.

Fonte:

Torres, Natália Cannizza. “Jesus a porta, Kardec a chave”: a apropriação do Novo Testamento pelo segmento espírita. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos. 2019. 91p. Disponível no site: https://repositorio.ufscar.br

O autor foi presidente da FEB, da USE-SP e membro da Comissão Executiva do CEI.

Extraído de: Revista Internacional de Espiritismo, Ano XCV, no 2, Março de 2020. p.82-82.

Virus-Suspensão atividades-Orientações da USE-SP

Virus-Suspensão atividades-Orientações da USE-SP – COMUNICADO

 

São Paulo, 17 de março de 2020.

Tende, portanto, a verdadeira fé na plenitude da sua beleza e da sua bondade, na sua pureza e na sua racionalidade. O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo 19, item 11.

A União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo, mais uma vez, agora com mais informações e conhecimento de medidas recomendadas pelas autoridades de saúde pública, apresenta aos dirigentes das instituições espíritas do estado de São Paulo, comunicado atualizado sobre o novo Coronavírus, o Covid-19.

Alertamos para a suspensão das atividades em nossas casas espíritas, cumprindo as orientações e recomendações das autoridades governamentais quanto a evitar a aglomeração e o contato físico entre pessoas. Isso diminui as chances de contaminação e contágio pelo vírus, em espaço curto de tempo, tornando possíveis as condições de proteção e cuidados que o sistema de saúde brasileiro pode oferecer e disponibilizar a seus cidadãos.

No momento em que a sociedade está mais necessitada de fortalecimento espiritual, ficamos diante do impasse quanto à presença e participação em reuniões presenciais espíritas. Obviamente devemos respeitar os órgãos competentes e também o apelo de prudência que a situação exige.

Entretanto não podemos esquecer os imperativos da prece e da manutenção de pensamentos elevados, nossos e das nossas equipes de trabalho. Em especial para enfrentar os dias que se seguem promovendo o otimismo, a fé e a esperança e evitando o pânico. Dessa forma, apresentamos um conjunto de sugestões para que, com a suspensão de atividades presenciais, possam ser desenvolvidas ações no formato à distância. Queremos com isso, continuar com ações doutrinárias, base de toda atividade nas casas espíritas.

Assim, a União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo – USE SP,

R E C O M E N D A aos dirigentes dos centros espíritas do estado de São Paulo que analisem e, na medida do possível, implementem as propostas que se seguem para que, não sendo presenciais, as ações possam ser desenvolvidas no formato virtual:

1. Sugerir aos frequentadores para que substituam a ida à palestra do centro por escolher e assistir alguma palestra em sites espíritas e canais do Youtube. A instituição Entidade federativa, coordenadora e representativa do movimento espírita estadual no Conselho Federativo Nacional da Federação Espírita Brasileira Rua Dr. Gabriel Piza, 433 – Santana – São Paulo – SP – – use@usesp.org.br Fone: (11) 2950-6554 – CEP: 02036-011 www.usesp.org.br 2 pode desenvolver canais de comunicação pela Internet para a apresentação de palestras gravadas ou mesmo ao vivo, direto da própria instituição, mas sem presença física de frequentadores;

2. Tornar o atendimento espiritual (atendimento fraterno) em atendimento eletrônico. Divulgue telefone e whatsapp para contato e atendimento. Seria um modelo do tipo CVV, mas com mais telefones ou celulares, divulgados, por sites e mídias sociais, para os interessados em atendimento (tipo fraterno) terem possibilidade de contato com a casa mesmo de modo não presencial. Dependendo da casa e de recursos, ela pode adquirir celulares exclusivamente para este serviço.

3. Para aqueles que participam de grupos de estudo, iniciar ou reforçar seu estudo individual. Utilizar-se dos mesmos temas e programas do grupo de estudo sistematizado, quer seja, ESDE, EADE, ou outro curso. Disponibilizar telefone e whatsapp de monitores para tirar dúvidas ou outras explicações. Outra alternativa é o estudo usando tecnologias de comunicação virtual.

4. Para qualquer frequentador ou trabalhador espírita acima de 60 anos, o chamado público-alvo, desenvolver oportunidades de trabalho no formato home office (trabalho em casa). Eles devem, necessariamente, ficar em casa. Mas podem trabalhar em atividades à distância. Exemplos: secretaria, desenvolvimento de novos cursos, programa de trabalho a ser implementado pós-Covid-19, etc.

5. Recomendar irradiações à distância: grupo de passistas se reúnem via Skype, Hangout, Webex ou outra forma para leitura de página evangélica e irradiação à distância.

6. Aos grupos de mediunidade, nos horários pré-estabelecidos das reuniões de estudo ou prática, orientar a fazerem vibrações, irradiações para todos os que se acham envolvidos nos trabalhos da área da saúde do Brasil e do mundo.

7. Infância: solicitar estruturação para que as aulas de evangelização e educação infantil sejam, também, no formato eletrônico. O(A) evangelizador(a) coordena e faz grupo usando tecnologia de comunicação virtual conduzindo as reuniões e participação das crianças, com apoio dos pais. Reunião de 30 minutos é suficiente.

8. A mesma proposta vale para os grupos de Mocidade Espírita.

9. Utilizar os sites e as mídias sociais (Facebook, Instagram e Twitter) para comunicar e divulgar textos com mensagens positivas, de bom senso e de orientação sobre as novas modalidades de convivência não presencial. Divulgar o conhecimento doutrinário espírita para o momento em que estamos vivendo. Para isso, a área de Comunicação tem papel fundamental, bem como a área de Doutrina. Entidade federativa, coordenadora e representativa do movimento espírita estadual no Conselho Federativo Nacional da Federação Espírita Brasileira Rua Dr. Gabriel Piza, 433 – Santana – São Paulo – SP – – use@usesp.org.br Fone: (11) 2950-6554 – CEP: 02036-011 www.usesp.org.br 3

10. Desenvolver reuniões eletrônicas com os dirigentes, por exemplo, semanalmente ou quando necessárias, para conhecer os efeitos das ações tomadas e possíveis melhorias que devam ser empregadas. Compartilhar atualização de informações das autoridades de saúde e do Governo para rever também as ações implementadas e novas recomendações e determinações recebidas.

11. Para que haja coerência do que está sendo feito neste novo ambiente virtual para implementar e acompanhar essas atividades dos centros espíritas, recomenda-se também que sejam feitas reuniões (semanal ou a cada 15 dias) com os coordenadores das áreas, reuniões essas também virtuais.

12. Reforçar junto aos dirigentes, trabalhadores e frequentadores da casa espírita, seja por sites ou mídias sociais, a prece diária, a leitura edificante e a prática semanal do Evangelho no Lar e no Coração. Enfatizamos que essas medidas visam exclusivamente evitar ambientes que potencializem a transmissão do coronavírus, colaborando com a prática das recomendações dos órgãos públicos e de saúde. Além disso, elas permitem que as funções das casas espíritas continuem sendo buscadas e realizadas contribuindo para atender seus objetivos, utilizando-se de métodos diferenciados. Não é redundante comentar que essas propostas não são as únicas a serem analisadas e implementadas pelas casas espíritas. Outras podem ser compartilhadas e implementadas por todos. Agradecemos pela compreensão e pela tomada de medidas que efetivamente colaborem com a redução da potencial transmissão do Coronavírus.

Aparecido José Orlando

Presidente da União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo

VÍRUS GEROU ESTUDO A DISTÂNCIA DO EVANGELHO

VÍRUS GEROU ESTUDO A DISTÂNCIA DO EVANGELHO

 

Na noite do dia 17 de março o estudo de "O Evangelho segundo o Espiritismo" do Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa Espírita de São Paulo teve prosseguimento, mas na modalidade a distância, por Skype. É coordenado pelo casal Célia e Cesar Perri de Carvalho e o filho Flávio Rey de Carvalho. Isso porque o CCDPE suspendeu as reuniões e estudos presenciais em atendimento às orientações governamentais da saúde. O recurso do estudo a distância foi em torno do Capítulo 1 dessa obra de Kardec, depois dos integrantes acessarem a vídeo aula sobre o tema disponível na Home Page de GEECX: www.grupochicoxavier.com.br/videos; interessante que mesmo aqueles que nunca utilizaram a modalidade a distância conseguiram participar da reunião virtual.

O sermão do monte em Parnaíba

"O Sermão do Monte" em Parnaíba

Os 63 anos do Centro Espírita Caridade e Fé, de Parnaíba (Piauí), foram comemorados com a atuação de Ricardo Mesquita (de Florianópolis). O visitante permaneceu alguns dias na cidade em reuniões sobre gestão de centro espírita e na noite do dia 15 de março, o expositor proferiu palestra pública sobre o tema “O sermão do monte” perante um grande público que compareceu ao Centro.

CORONAVÍRUS INFORME ASSOCIAÇÃO MÉDICO-ESPÍRITA DO BRASIL (AME- BRASIL)

CORONAVÍRUS
INFORME ASSOCIAÇÃO MÉDICO-ESPÍRITA DO BRASIL (AME- BRASIL)

13 de março de 2020

A evolução da pandemia de Coronavírus (COVID-19), com ocorrência em vários países e se disseminando rapidamente, torna essencial a participação de toda a nossa sociedade nas medidas necessárias para sua prevenção e controle.
Apesar de se tratar de um novo vírus, o conhecimento acumulado até o momento, a partir dos milhares de casos em outras regiões, tem permitido que nosso país desenvolva planos de ação procurando reduzir os danos desta pandemia, já considerada uma emergência de saúde pública. Mas será necessária a mobilização e participação de todos.
Alguns esclarecimentos devem ser apontados: oitenta por cento dos casos de infecção por Coronavirus são leves e os sintomas lembram um resfriado comum. Casos graves acontecem principalmente em pessoas com mais de 60 anos de idade e/ou com doenças crônicas, como doenças cardíacas, pulmonares, renais e em pessoas com imunidade reduzida por doença ou medicação.
Individualmente, a infecção pelo Coronavírus não difere muito das infecções respiratórias já existentes na população. Por isso, não há motivo para pânico ou medidas desesperadas. A grande preocupação em relação a esta pandemia é que o número de casos pode aumentar de maneira abrupta, em escala geométrica, o que acarretaria em um grande número de doentes, alguns com doença grave, de modo simultâneo. Este fato sobrecarregaria os serviços de saúde, sejam eles públicos ou privados, com risco de faltar assistência adequada para toda a população. Esta é a razão pela qual as medidas de contenção são essenciais, para tornar mais lenta a instalação desta pandemia e permitir que os serviços de saúde se organizem para oferecer atendimento adequado.
A comunidade espírita e a comunidade ligada à Associação Médico-Espírita do Brasil têm um compromisso com a saúde espiritual e física e com ações de fraternidade e solidariedade.

Com essas preocupações, e avaliando a situação atual, a AME-Brasil recomenda as seguintes medidas:

1. Seguir as recomendações dos órgãos oficiais, Ministério da Saúde do Brasil e Organização Mundial da Saúde, quanto aos comportamentos adequados tais como “etiqueta respiratória” (tossir ou espirrar no próprio braço ou dento da camisa), higienização frequente das mãos com álcool gel a 70% ou com água e sabão e evitar contato das mãos com as mucosas da boca, nariz e olhos. Pessoas com sintomas respiratórios devem procurar o atendimento médico o mais breve possível e colaborar com o isolamento domiciliar até ordem médica.
2. Devido à grande dimensão territorial do Brasil e a pluralidade de cenários, as medidas de contenção podem variar conforme a localidade. Assim, é importante estar atento às recomendações dos estados e municípios, que podem mudar durante o período de pandemia.
3. A princípio, a maior gravidade da doença está na população com idade superior a 60 anos com ou sem comorbidades crônicas. Por este motivo recomendamos que estas pessoas evitem o contato social, especialmente em reuniões com maior número de pessoas, como palestras públicas, atendimento ao público, grandes grupos de estudo ou grandes grupos mediúnicos.
4. Trabalhos de atendimento espiritual abertos ao público podem ser realizados por atendimento à distância (por exemplo, passe a distância), através do trabalho de irradiações, com a formação de correntes de vibração, através da prece, em favor de toda a comunidade mundial, brasileira.
5. Reuniões com grande número de pessoas devem ser evitadas. Para as casas espíritas com recursos disponíveis as atividades virtuais são preferíveis durante o período da pandemia.
6. Suspender eventos com grande número de pessoas até que essa medida seja reavaliada de acordo com a evolução da situação epidemiológica.
7. Pessoas com sintomas respiratórios não devem participar de atividades neste período de pandemia.
8. Manter reuniões de trabalho que envolva pequeno número de pessoas, tomando-se os cuidados preconizados pela área de saúde pública. Delas não deverão participar trabalhadores com sintomas respiratórios, assim como se deverá evitar contato físico como aperto de mãos, abraços e beijos. Essas medidas podem parecer, para alguns, excessivas no momento, mas é importante estimulá-las porque se trata de mudança de comportamento (o que é sempre difícil) e poderão se tornar fundamentais em seguida, com a evolução da epidemia.
9. O fornecimento de álcool gel em locais chaves da casa espírita, como na entrada, na biblioteca e nos banheiros pode auxiliar sobremaneira na contenção do vírus.
10. Contribuir com as ações propostas pelas autoridades sanitárias, especialmente através da divulgação de informações confiáveis e desenvolvendo um trabalho de educação em saúde junto às comunidades atendidas e/ou ligadas à AME-Brasil.
Essas medidas serão reavaliadas sistematicamente, de acordo com a evolução da situação da doença. Nosso país é grande e diverso e, até o momento, a distribuição dos casos confirmados é heterogênea nos diversos estados. São Paulo e Rio de Janeiro possuem o maior número de casos confirmados e acredita-se que nesse momento possam estar na iminência ou em fase inicial de contágio comunitário. As capitais desses dois estados são cidades muito populosas e apresentam um fluxo muito grande de pessoas em viagens de entrada e saída. Uma vez estabelecida a transmissão comunitária, quando não se identifica mais a fonte de aquisição do vírus, outras medidas poderão ser necessárias.
Mais informações sobre Coronavírus (COVID-19) e sobre as medidas de prevenção propostas à sociedade podem ser encontradas no site do Ministério da Saúde do Brasil: https://saude.gov.br
Também está disponível APP para sistemas operacionais iOS e Android, desenvolvidos pelo Ministério da Saúde, que podem ser baixados gratuitamente, e permite o acompanhamento da situação e das orientações em tempo real.
Devemos lembrar que os problemas que nos surgem são oportunidades para aprendizado, oferecidos por Deus, para nosso próprio crescimento, seja ele individual ou coletivo. Como afirma Emmanuel na obra Ceifas de Luz: “Não há sofrimento sem significação”. Semelhante aos dramas individuais, devemos manter a fé e a serenidade para permitirmos a inspiração do Mundo Maior para nos auxiliar no enfrentamento desta pandemia.
Como prevenir o contágio?
• Lave as mãos com água e sabão ou use álcool gel a 70%.
• Cubra o nariz e a boca ao espirrar ou tossir.
• Evite aglomerações se estiver doente.
• Mantenha os ambientes bem ventilados.
• Não compartilhe objetos pessoais.

PERANTE A ENFERMIDADE
Sustentar inalteráveis a fé e a confiança, sem temor, queixa ou revolta, sempre que enfermidades conhecidas ou inesperadas lhe visitem o corpo ou lhe assediem o lar.
Cada prova tem uma razão de ser.
Com o necessário discernimento, abster-se do uso exagerado de medicamentos capazes de intoxicar a vida orgânica.
Para o serviço da cura, todo medicamento exige dosagem.
Desfazer ideias de temor ante as moléstias contagiosas ou mutilantes, usando a disciplina mental e os recursos da prece.
A força poderosa do pensamento tanto elabora quanto extingue muitos distúrbios orgânicos e psíquicos.
Sabendo que todo sofrimento orgânico é uma prova espiritual, dentro das leis cármicas, jamais recear a dor, mas aceitá-la e compreendê-la com desassombro e conformação.
A intensidade do sofrimento varia segundo a confiança na Lei Divina.
Aceitar o auxílio dos missionários e obreiros da medicina terrena, não exigindo proteção e responsabilidade exclusivas dos médicos desencarnados.
A Eterna Sabedoria tudo dispõe em nosso proveito.
Afirmar-se mentalmente em segurança, acima das enfermidades insidiosas que lhe possam assaltar o organismo, repelindo os pensamentos e as palavras de desespero ou cansaço, na fortaleza de sua fé.
A doença pertinaz leva à purificação mais profunda.
Aproveitar a moléstia como período de lições, sobretudo como tempo de aplicação dos valores alusivos à convicção religiosa. A enfermidade pode ser considerada por termômetro da fé.
“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” — Jesus.
(MATEUS, 11:28).
Espírito André Luiz – psicografia de Chico Xavier (Conduta Espírita – cap. 35).

Diretoria da AME-Brasil
Dr. Gilson Luis Roberto – Médico homeopata e presidente da AME-Brasil.
Dr. Vicente Pessoa Jr – Médico infectologista e vice-presidente da AME Goiânia (GO).
Dr. Ricardo de Souza Cavalcante – Médico infectologista do Hospital das Clínicas da
Faculdade de Medicina de Botucatu – UNESP e presidente da AME Botucatu (SP).

Texto em PDF (copie e cole):

http://www.amebrasil.org.br/2018/sites/default/files/CORONAV%C3%8DRUS.pdf

Causas espirituais das Doenças

Causas espirituais das Doenças

Perguntas e Respostas (Chico Xavier | Emmanuel)

1 – O que estrutura espiritualmente o corpo de carne?

Emmanuel: O corpo espiritual ou perispírito é o corpo básico, constituído de matéria sutil, sobre o qual se organiza o corpo de carne.

2 – O erro de uma encarnação passada pode incluir na encarnação presente, predispondo o corpo físico às doenças? De que modo?

Emmanuel – A grande maioria das doenças tem a sua causa profunda na estrutura semi-material do corpo espiritual. Havendo o espírito agido erradamente, nesse ou naquele setor da experiência evolutiva, vinca o corpo espiritual com desequilíbrios ou distonias, que o predispõem à instalação de determinadas enfermidades, conforme o órgão atingido.

3 – Quais os dois aspectos da Justiça?

Emmanuel – A Justiça na Terra pune simplesmente a crueldade manifesta, cujas conseqüências transitam nas áreas do interesse público, dilapidando a vida e induzindo à criminalidade; entretanto, esse é apenas o seu aspecto exterior, porque a Justiça é sempre manifestação constante da Lei Divina, nos processos da evolução e nas atividades da consciência.

4 – Qual a relação existente entre doenças e a Justiça?

Emmanuel – No curso das enfermidades, é imperioso venhamos a examinar a Justiça, funcionando com todo o seu poder regenerativo, para sanar os males que acalentamos.

5 – O que faz o Espírito, antes de reencarnar-se visando à própria melhoria?

Emmanuel – Antes da reencarnação, nós mesmos, em plenitude de responsabilidade, analisamos os pontos vulneráveis da própria alma, advogando em nosso próprio favor a concessão dos impedimentos físicos que, em tempo certo, nos imunizem, ante a possibilidade de reincidência nos erros em que estamos incursos.

6 – Que pedem, para regenerar-se, os intelectuais que conspurcaram os tesouros da alma?

Emmanuel – Artífices do pensamento, que malversamos os patrimônios do espírito, rogam empeços cerebrais, que se façam por algum tempo alavancas coercitivas, contra as nossas tendências ao desequilíbrio intelectual.

7 – Que medidas de reabilitação rogam os artistas que corromperam a inteligência?

Emmanuel – Artistas, que intoxicamos a sensibilidade alheia com os abusos da representação viciosa, imploramos moléstias ou mutilações, que nos incapacitem para a queda em novas culpas.

8 – Que emendas solicitam os oradores e pessoas que influenciaram negativamente pela palavra?

Emmanuel – Tarefeiros da palavra, que nos prevalecemos dela para caluniar ou para ferir, solicitamos as deficiências dos aparelhos vocais e auditivos, que nos garantam a segregação providencial.

9 – Que providências retificadoras pedem para si próprios aqueles que abraçaram graves compromissos do sexo?

Emmanuel – Criaturas dotadas de harmonia orgânica, que arremessamos os valores do sexo ao terreno das paixões aviltantes, enlouquecendo corações e fomentando tragédias, suplicamos as doenças e as inibições genésicas que em nos humilhando, servem por válvulas de contenção dos nossos impulsos inferiores.

10 – Todas as enfermidades conhecidas foram solicitadas pelo Espírito do próprio enfermo, antes de renascer?

Emmanuel – Nem sempre o Espírito requisita deliberadamente determinadas enfermidades de vez que, em muitas circunstâncias quais aqueles que se verificam no suicídio ou na delinqüência, caímos, de imediato, na desagregação ou na insanidade das próprias forças, lesando o corpo espiritual, o que nos constrange a renascer no berço físico, exibindo defeitos e moléstias congênitas, em aflitivos quadros expiatórios.

11 – Quais são os casos mais comuns de doenças compulsórias, impostas pela Lei Divina?

Emmanuel – Encontramos numerosos casos de doenças compulsórias, impostas pela Lei Divina, na maioria das criaturas que trazem as provações da idiotia ou da loucura, da cegueira ou da paralisia irreversíveis, ou ainda, nas crianças-problemas, cujos corpos, irremediavelmente frustrados, durante todo o curso da reencarnação, mostram-se na condição de celas regenerativas, para a internação compulsória daqueles que fizeram jus a semelhantes recursos drásticos da Lei. Justo acrescentar que todos esses companheiros, em transitórias, mas duras dificuldades, renascem na companhia daqueles mesmos amigos e familiares de outro tempo que, um dia, se cumpliciaram com eles na prática das ações reprováveis em que delinqüiram.

12 – A mente invigilante pode instalar doenças no organismo? E o que pode provocar doenças de causas espirituais na vida diária?

Emmanuel – A mente é mais poderosa para instalar doenças e desarmonias do que todas as bactérias e vírus conhecidos. Necessário, pois, considerar igualmente, que desequilíbrios e moléstias surgem também da imprudência e do desmazelo, da revolta e da preguiça. Pessoas que se embriagam a ponto de arruinar a saúde; que esquecem a higiene até se tornarem presas de parasitas destruidores; que se encolerizam pelas menores razões, destrambelhando os próprios nervos; os que passam, todas as horas em redes e leitos, poltronas e janelas, sem coragem de vencer a ociosidade e o desânimo pela movimentação do trabalho, prejudicando a função dos órgãos do corpo físico, em razão da própria imobilidade, são criaturas que geram doenças para si mesmas, nas atitudes de hoje mesmo, sem qualquer ligação com causas anteriores de existências passadas.

13 – Qual a advertência de Jesus para que nos previnamos dos males do corpo e da alma?

Emmanuel – Assinalando as causas distantes e próximas das doenças de agora, destacamos o motivo por que os ensinamentos da Doutrina Espírita nos fazem considerar, com mais senso de gravidade, a advertência do Mestre: “Orai e vigiai, para não cairdes em tentação”.

EMMANUEL

(Xavier, Francisco Cândido; Vieira, Waldo. Pelo espírito Emmanuel. Leis do Amor. Cap. 1. São Paulo: FEESP).

O susto do vírus poderá levar a reflexões sobre valores?

O susto do vírus poderá levar a reflexões sobre valores?

Antonio Cesar Perri de Carvalho (*)

O mundo entrou num estado que varia de intensas preocupações até ao pânico desde que foi identificado o surto de coronavírus em Província da China. Em cerca de dois meses o Covid-19 tem infectado e até feito vítimas letais em praticamente todos os países do Hemisfério Norte, da América do Sul e de outros continentes. Inclui-se aí os países mais desenvolvidos do planeta.

Silenciosamente o vírus rompeu todas as “redes de segurança” e chegou na intimidade de poderosos governantes. Sem entrar em comentários sobre os meios de transmissão, a letalidade do Covid-19, comparações com outras epidemias e até ilações espíritas de causa e efeito, há algo que deve ser refletido.

No início da propagação pelo Brasil, recebemos interessante mensagem mediúnica – talvez uma das primeiras -, abaixo transcrita:

“O remédio vem de Deus

Se os surtos viróticos assustam, a indiferença humana, frente à dor de seu semelhante, mata mais. Se o medo de doenças incuráveis rondam o teu pensamento, mergulha, de corpo e alma, na caridade socorrista e estarás protegido pelos anticorpos naturais da prática do Bem. O ócio faz mais vítimas do que o câncer, dia a dia. Emprega o teu tempo em algo útil e o Amor Divino fará de ti uma luz na escuridão. Paz, em Jesus. – Irmão Joaquim”

(Mensagem psicografada pelo médium Hélio Ribeiro Loureiro na reunião mediúnica na Casa de Batuíra, em São Gonçalo/RJ no dia 29/02/2020).

A reflexão proposta é bem ampla e até lembramos que há outros surtos letais no Brasil, além da enorme desigualdade social que leva à fome.

Mas o trecho sobre o susto virótico para a indiferença humana suscita um olhar para o cenário criado pelo Covid-19, com multidões sendo isoladas ou em quarentena em cidades, regiões de países, grandes navios, e, nos próprios lares.

A essa altura e centralizando apenas nos impactos causados pelo Covid-19, fazemos uma reflexão sobre a pandemia mundial, o alastramento pelo Brasil e as relações conosco.

A pandemia mundial está afetando os países mais desenvolvidos e provocando oscilações das Bolsas de Valores, o que chama atenção sobre o poder de um microscópico vírus.

Em nosso país inúmeros eventos já foram cancelados, incluindo os de natureza espírita. E sem dúvida, afetará a rotina das instituições espíritas.

Autoridades governamentais dos níveis federal, estadual e municipal, deixaram claro em recentes decisões e recomendações efetivadas em São Paulo, sobre a grande preocupação com os grupos de riscos, incluindo-se principalmente os idosos e portadores de algumas doenças debilitantes. As autoridades chegaram até ao detalhe para se evitar sobrecarregarem os avós com a presença dos netos eventualmente dispensados das escolas. Ou seja, isso leva ao repensar da relação dos pais com os filhos em função de compromissos do próprio lar e os profissionais.

Por outro lado, já escutamos relatos de pessoas que ficaram confinadas em regiões de outros países e outras, submetidas à quarentena domiciliar, sobre os momentos complexos físicos e mentais dessa situação. De repente, surge a recomendação preventiva para os integrantes dos grupos de risco para se evitar aglomerações e eventos públicos e se recolherem o máximo possível no ambiente dos lares.

O mundo espiritual é claro que os encarnados devem zelar pelo corpo físico e valorizar a vida.

E aí surge a indagação: seriam momentos para se rever valores? Ou seja: valores relacionados com os ambientes familiar e social, independentemente de aparências e de máscaras sócioeconômicas?

As conseqüências do microscópico Covid-19 na “empoderada” Humanidade de nossos dias, de repente, poderão conduzir a algumas reflexões humanitárias e até de natureza espiritual?

Por isso, esperamos que a crise do momento possa realmente direcionar para as indicações da mensagem supra transcrita: “…o amor Divino fará de ti uma luz na escuridão” e coerente com o próprio título da pequena mensagem: “O remédio vem de Deus”.

(*) O autor foi presidente da USE-SP e da FEB.

Origens e ações do NEPE em recordações

Origens e ações do NEPE em recordações

 

As ações do Núcleo de Estudo e Pesquisa da FEB foram lembradas durante visita de Wagner Gomes da Paixão ao casal Célia e Cesar Perri de Carvalho e filho Flávio, em São Paulo, no dia 11 de março. O NEPE da FEB foi criado e funcionou durante a gestão de Perri, como presidente interino e efetivo da FEB (2012-2015). Naquele período foram realizados inúmeros seminários em várias regiões do país, gravados programas pela TVCEI e FEBTV – "Estudo do Evangelho à luz do Espiritismo" e editado o livro "O Evangelho segundo o Espiritismo. Orientações para o estudo" (FEB, 2014). Essas videoaulas sobre Evangelho estão disponíveis no Youtube e na págína do GEECX. Wagner participou das várias atividades do antigo NEPE da FEB e atua no Grupo Espírita da Bênção em Mário Campos (MG).