Encontro Regional discute “Centro Espírita-Fortaleza Espiritual”

Encontro Regional discute “Centro Espírita-Fortaleza Espiritual”

A 28ª. CONESPI, promovida pela USE Intermunicipal da Alta Mogiana, aconteceu este ano na cidade de São Joaquim da Barra no dia 10 de junho. Adultos e jovens provenientes das cidades da região acompanharam o evento iniciado saudação de Santo Aleixo, antigo dirigente local e com palestras de Marcos Papa (Ribeirão Preto) e Antonio Cesar Perri de Carvalho (ex-presidente da USE-SP e da FEB), seguidas de perguntas e respostas aos expositores.

Compareceu Pascoal Bovino, presidente da USE Regional de Ribeirão Preto e vice-presidente da USE Estadual. Após o almoço ocorreram reuniões em grupos com Marcos Papa, Eduardo Croys Felthes, Luís Nelson Prado Castilho, Edegar Tão, Sílvia Helena e apresentações do Grupo Arte Vida. A dirigente do evento Sílvia Mara da Silva considerou: “Foi um encontro repleto de aprendizado. Todos a equipe da está de parabéns pelo trabalho . E agradecemos a todos os trabalhadores da Família Espírita de São Joaquim da Barra”.

 

Palestra e reunião em Ribeirão Preto e Batatais

Palestra e reunião em Ribeirão Preto e Batatais

Em eventos promovidos pela USE Intermunicipal de Ribeirão Preto, Antonio Cesar Perri de Carvalho (ex-presidente da USE-SP e da FEB) proferiu palestra na tradicional centro União Kardecista, na noite do dia 8 de junho. No dia seguinte foi entrevistado pelo programa de TV “Visão Espírita”, por Edegar Tão. Na tarde do dia 10 de junho o visitante falou e respondeu a perguntas em reunião com dirigentes espírita de Ribeirão Preto e cidades próximas, na Sociedade Espírita União e Caridade. Também autografou livros de sua autoria. Em todos eventos compareceram dirigentes das USEs Regional e Intermunicipal de Ribeirão Preto.

Na noite do dia 9, o expositor fez palestra no C.E. Amor e Caridade, em Batatais, promovido pela USE Intermunicipal de Batatais. No dia seguinte atuou no Encontro Regional em São Joaquim da Barra.

Palestras de Versiani no Estado do Rio

Palestras de Versiani no Estado do Rio

O Instituto Espírita Bezerra de Menezes, de Niterói, realizou duas Caravanas ao Interior na semana passada. No feriado de “Corpus Christi” um ônibus cheio de espíritas de Niterói e São Gonçalo, visitaram o C.E. "Fé, Esperança e Caridade", em Silva Jardim, na Baixada Litorânea. Já no dia 3, foi visitado o C.E. “Luz e Vida”, em Cachoeiras de Macacu. Em ambas o orador foi Roberto Fuina Versiani (ex-diretor da FEB; DF) e os estudos versaram sobre os ensinos contidos no livro "Calma", de Emmanuel, por Chico Xavier. No dia 2 de junho, Roberto Versiani proferiu palestra sobre o mesmo tema no Grupo de Apoio ao Menor – Casa de Batuíra, em São Gonçalo (RJ), havendo em seguida um almoço beneficente.

Hélio Ribeiro psicografou mensagens durante as palestras. Uma delas:

“CAMINHAI ENQUANTO HÁ LUZ

Meus irmãos, Jesus nos abençoe! A Doutrina Espírita é pura e santa, o movimento espírita tem o dever de não deturpá-la e divulgá-la utilizando-se de exemplos advindos de corações renovados, pois que temos o dever de sermos cartas vivas do Evangelho. Por isso meus irmãos, não devemos perder tempo tentando trazer o mundo para a Doutrina quando o nosso dever é justamente ao contrário, levar a Doutrina para o Mundo. Acautelemo-nos, pois, das “novidades” que batem à porta da Casa Espírita e voltemos nossos passos para a simplicidade da Doutrina Espírita. Paz e saúde, com o dever de sermos fiéis à pureza doutrinária. Carlos Imbassahy”

(mensagem recebida no C.E. “Fé, Esperança e Caridade”, na cidade de Silva Jardim – RJ, em 31/05/2018, quando da visita da Caravana da Fraternidade)

Informações: https://www.facebook.com/Gam.CasadeBatuira/

USE-SP elege novos órgãos de unificação e a diretoria executiva

USE-SP elege novos órgãos de unificação e a diretoria executiva

No dia 3 de junho, na sede da União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo, na capital paulista, reuniram-se representantes das instituições espíritas do Estado para a Assembleia Geral com o objeto de constituir os novos Conselho Deliberativo Estadual e Conselho de Administração da USE, que foram empossados, e proceder a pequena alteração estatutária para melhor atender a atividades culturais. Nesta Entidade Federativa Estadual, desde sua fundação em 1947, há apenas associados pessoas jurídicas, as Instituições, e, toda atuação é descentralizada em órgãos de unificação do Estado. Na oportunidade, a diretoria que encerrava suas atividades, tendo Júlia Nezu Oliveira como presidente apresentou seu Relatório de Atividades dos últimos três anos, contando com manifestações dos Diretores de Departamentos, e, também apresentou a respectiva prestação das contas que foram aprovados por todos os presentes. A presidente Júlia foi homenageada. Foi prestada homenagem ao Balieiro, desencarnado há três meses, e que integrava esta diretoria cessante.

Em seguida, o novo Conselho Deliberativo Estadual elegeu a Diretoria Executiva para o período de 2018 a 2021. Os membros da nova Diretoria Executiva para o período de 2018 – 2021 são: Presidente Aparecido José Orlando; 1ª Vice-Presidente Rosana Amado Gaspar; 2º Vice-Presidente Pascoal Antonio Bovino; Secretário Geral Hélio Alves Corrêa; 1º Secretário Newton Carlos Guirau; 2ª Secretária Eronilza Souza da Silva; 3º Secretário Walteno Santos Bento da Silva; 1º Tesoureiro Maurício Ferreira Agudo Romão; 2º Tesoureiro Elisabete Márcia Figueiredo; Diretor de Patrimônio Silvio César Carnaúba da Costa.

A Assembleia Geral foi presidida por Antonio Cesar Perri de Carvalho que, após encerrar as atribuições da mesma, deu posse ao presidente da USE eleito. O novo presidente Aparecido José Orlando (oriundo da USE de São José dos Campos) comentou: “Atender às finalidades da USE, buscando a união entre todos os espíritas e instituições do Estado e a unificação direcionada, é parte do Plano de Trabalho e nosso objetivo. Seremos fortes se unidos e, com nossa união, executaremos as ações adequadas e pertinentes para dinamizar, ainda mais, o movimento espírita paulista”. Todas etapas da reunião se desenvolveram em ambiente tranquilo e fraterno. Após as reuniões houve um almoço coletivo. No dia 5 de junho a USE-SP completa 71 anos de fundação.

Diálogo interreligioso em pesquisa e congresso acadêmico

Diálogo interreligioso em pesquisa e congresso acadêmico

Em 26 de maio, o professor de sociologia da UFSCar André Ricardo de Souza apresentou na Universidade Lusófona, em Lisboa, o resultado de uma pesquisa sobre o diálogo entre espíritas, católicos e evangélicos. Tal apresentação, abrangendo as três grandes vertentes cristãs do Brasil, ocorreu no I Congresso Internacional de Cristianismo Contemporâneo. Este evento foi dedicado à temática “Cristianismo, Cultura e Diálogo num mundo em mudança”, que se destina a incentivar a investigação científica e sua partilha de resultados na área da religião e espiritualidade cristã, na especificidade dos vários ramos da fé e vivências, assim como no âmbito da sua relação com outras experiências e expressões religiosas. André Ricardo de Souza é um dos organizadores do livro Espiritualidade e espiritismo. Reflexões para além da religiosidade (Ed. Porto de Ideias, 2017).

Sobre o livro:

http://grupochicoxavier.com.br/espiritualidade-e-espiritismo-reflexoes-para-alem-da-religiosidade/

Na Casa de César

Na Casa de César

"Todos os santos vos saúdam, mas principalmente os que são da casa de César" – Paulo (FILIPENSES, capítulo 4, versículo 22.)

Muito comum ouvirmos observações descabidas de determinados irmãos na crença, relativamente aos companheiros chamados a tarefas mais difíceis, entre as possibilidades do dinheiro ou do poder.

A piedade falsa está sempre disposta a criticar o amigo que, aceitando laborioso encargo público, vai encontrar nele muito mais aborrecimentos que notas de harmonia.

A análise desvirtuada tudo repara maliciosamente.

Se o irmão é compelído a participar de grandes representações sociais, costuma-se estigmatizá-lo como traidor do Cristo.

É necessário despender muita vigilância nesses julgamentos.

Nos tempos apostólicos, os cristãos de vida pura eram chamados "santos".

Paulo de Tarso, humilhado e perseguido em Roma, teve ocasião de conhecer numerosas almas nessas condições, e o que é mais de admirar – conviveu com diversos discípulos de semelhante posição, relacionados com a habitação palaciana de César.

Deles recebeu atenções e favores, assistência e carinho. Escrevendo aos filipenses, faz menção especial desses amigos do Cristo.

Não julgues, pois, a teu irmão pela sua fortuna aparente ou pelos seus privilégios políticos.

Antes de tudo, lembra-te de que havia santos na casa de Nero e nunca olvides tão grandiosa lição.

Emmanuel

(Xavier, Francisco Cândido. Pelo Espírito Emmanuel. Caminho, Verdade e Vida. Capítulo 75. FEB)

FEAL recebe acervo do Instituto Canuto Abreu

FEAL recebe acervo do Instituto Canuto Abreu

Após o lançamento da obra A Gênese de Allan Kardec, traduzida da 1ª. edição francesa, no dia 26 de maio de 2018, no Centro Espírita Nosso Lar-Casas André Luiz, em São Paulo, a Fundação Espírita André Luiz fez a apresentação ao público do Centro de Documentação e Obras Raras da Fundação Espírita André Luiz, que conterá acervo de estudos muito valiosos para ampliação do conhecimento – “A história do Espiritismo precisa ser recuperada, divulgada, profundamente conhecida pelos espíritas”. Inclui o acervo do Instituto Canuto Abreu, que contém manuscritos originais de Allan Kardec. Nesta parte da solenidade houve a participação do neto de Canuto Abreu, Lian Duarte e sua esposa, e do diretor da FEAL, Onofre Astínfero Baptista. Sabe-se que Lian Duarte, havia assinado convênio doando o acervo para outra Instituição, mas face à descontinuidade do projeto, ele resolveu doar à FEAL. Em seguida, falaram: Júlia Nezu Oliveira (pres. USE-SP), Antonio Cesar Perri de Carvalho (ex-pres. da USE-SP e da FEB), e Heloísa Pires (expositora, SP).

.

Silvino Canuto de Abreu (Taubaté, 1892-São Paulo, 1980) foi farmacêutico, advogado, médico e pesquisador espírita; fundador e presidente da Associação Paulista de Homeopatia; pesquisou em bibliotecas e arquivos do Brasil e da Europa, conseguiu amealhar livros e documentos raros, formando biblioteca com mais de dez mil volumes, especializada em espiritismo, metapsíquica, parapsicologia e temas correlatos. Teve contatos com Léon Denis, Gabriel Delanne e dirigentes da União Espírita Francesa e da Maison des Esprits. Durante a Segunda Guerra Mundial, quando as tropas alemãs invadiram a França, tornou-se depositário de alguns documentos históricos de Kardec. Autor dos livros: Bezerra de Menezes, O Livro dos Espíritos e sua tradição histórica e lendária, O Evangelho por Fora. Em 1957, integrou a comissão organizadora das comemorações do I Centenário do lançamento de O Livro dos Espíritos; traduziu a 1ª. edição desta obra, como foi lançada pelo Codificador em 1857, e a publicou em edição bilíngue.

ALGO no AR

ALGO no AR

Francisco Habermann (*)

É nítida a percepção de que há algo pairando no ar além do vital oxigênio. Refiro-me às sensações ligadas ao nosso comportamento e não aos componentes gasosos da atmosfera.

São sentimentos intrigantes, aqueles que geram expectativas nos seres viventes. Parece que circulam no ar, estão em toda parte, qual poeira fina em tempo seco e frio. Percorrem nossa alma. Não arrisco hipóteses descabidas, mas há algo, sim, no ambiente nacional, algo que desconfio seja o inicio de nova era.

Um tempo de maior responsabilidade e que exige atitudes decisivas, não mais ‘jeitinhos’ tão a nosso gosto.

Embarco na ideia que aprendi lá em casa que é o tríduo basal da vida honesta: ética, moral e caráter. Tão necessário hoje quanto sempre. Mas, como está difícil ver e sentir essas qualidades entre nós, não?

Não desanimemos, entretanto. Por tudo o que já passamos nesse país, considerado o Coração do Mundo – pelas características de nosso povo –o fato de enfrentar crises emergenciais surpreende-nos a todos, induzindo um clima persistente de incertezas.

Algo que deveríamos – como coletividade civilizada – aprender a evitar as causas ou, então, prevenir,treinar antecipadamente os caminhos alternativos, amenizando consequências. Japão e Suécia, além de outros povos organizados, fazem isso de rotina. Treinam a população para urgências inevitáveis, em geral, por eventos súbitos e incontroláveis da natureza.

Aqui, não temos essa tradição e, felizmente, nem aquelas catástrofes naturais. Mas temos outras produzidas por nós mesmos.

A vida do brasileiro é enganosamente tida como tranquila, mesmo diante das maiores dificuldades pessoais ou coletivas; o país é claramente rico de recursos, mesmo quando o povo transita na dificuldade ou na miséria; nossa consciência não inclui o próximo mesmo quando este implora ajuda.

Constata-se entre nós um panorama contrastante. Tem-se a impressão – hoje – que algo haverá de acontecer para nos acordar. Não dá mais para permanecermos deitados eternamente em berço esplêndido, claro.

Aquele algo que sentimos no ar está a nos dizer da urgência em renovarmo-nos. Renovar-nos para mudar com ética, moral e caráter.

É nossa esperança. O Brasil se transformará.

(*) – Atua em Botucatu (SP): Associação de Educação e Cultura Espírita 'Gabriel Delanne'; Associação Médico Espírita de Botucatu- AME; Núcleo Assistencial 'Joanna de Ângelis'.

Extraído de: http://www.fmb.unesp.br/#!/noticia/2139

A Gênese – Resenha da tradução da 1ª edição francesa

A Gênese

Resenha da tradução da 1ª edição francesa

Obra: A Gênese. Os milagres e as predições segundo o espiritismo;

Autor: Allan Kardec;

Tradução: da 1ª edição, de janeiro de 1868;

Tradutor: Carlos de Brito Imbassahy;

Equipe da Editora: edição e notas, revisão da tradução, revisão final, produção editorial, capa e projeto gráfico;

Páginas: 413.

Editora: Fundação Espírita André Luiz;

Local: São Paulo;

Data: maio de 2018;

Houve a atuação de uma equipe para a edição da presente obra traduzida.

Na Apresentação é transcrita mensagem de São Luís (Paris, 18 de dezembro de 1867); e há comentários sobre o valor e a fidedignidade da obra: O derradeiro e conclusivo livro de Allan Kardec, por Paulo Henrique de Figueiredo; Os fatos e as provas irrefutáveis, por Simoni Privato Goidanich; Obra original, atual e contemporânea, por Marcelo Henrique Teixeira, e, ainda: O direito moral e a garantia da integridade da obra, por Júlio Nogueira. Conta também com um Prefácio de autoria de Paulo Henrique de Figueiredo.

O prefaciador esclarece que não cabe “uma atualização dos conceitos e paradigmas científicos de nosso tempo diante das referências utilizadas por Allan Kardec de obras de seu tempo” e justifica que elaborou “notas explicativas para esclarecer ao leitor as expressões, termos e idéias citadas por Kardec, que pertencem aos paradigmas aceitos em sua época, pelas Ciências oficiais, contextualizando a obra em seu cenário cultural original”. Evidentemente que sem interferir no texto, há muitas notas de rodapé explicativas.

Como se trata da tradução da 1ª edição lançada por Allan Kardec em janeiro de 1868 e cujo conteúdo autorizado pelo Ministério do Interior e depositado na Biblioteca Imperial (Biblioteca Nacional da França) é o mesmo na 2ª, 3ª e 4ª edições publicadas pelo Codificador enquanto encarnado, representa um importante resgate histórico em língua portuguesa. Portanto é diferente das traduções da 5ª edição – “revista, corrigida e ampliada” – registrada e lançada em 1872.

A edição de A gênese, agora disponibilizada pela FEAL recompõe centenas de alterações que foram introduzidas na 5ª edição francesa, desde pontuações e alterações de palavras, a supressões e encaixes de trechos e de itens, com conceitos e redações que não conferem com o estilo de Allan Kardec, gerando em muitos pontos distorções doutrinárias. Como se trata de 1a. edição de uma tradução, naturalmente caberão revisões. Sugerimos que retirem ou refaçam a chamada da capa – "A primeira edição autêntica de Allan Kardec " -, pois falta clareza e dá margem a várias interpretações; trata-se da tradução de edição francesa autêntica de Kardec, enquanto encarnado, mas, não é a primeira tradução para o português publicada a partir de edições desta obra, feitas por Kardec, pois a Editora CELD publicou a tradução da 4a. edição francesa (mesmo conteúdo da 1a. edição) no ano de 2008.

Pela passagem dos 150 anos do lançamento de A gênese torna-se importante o estudo desta Obra Básica e para os que puderem, procederem à comparação da edição da FEAL com as demais traduções existentes, conferindo com os originais franceses publicados por Kardec, entre janeiro de 1868 e fevereiro de 1869. Estes se encontram facilmente disponíveis, na forma digital, em várias Bibliotecas européias.

O conteúdo trabalhado pelo Codificador no Capítulo 1 de A gênese é fortemente sugestivo para esse procedimento. Sem dúvida, trata-se de uma busca de fidelidade à obra de Allan Kardec.

Informações: 

https://mundomaior.com.br/catalogsearch/result/?q=a+genese+1+edi%C3%A7ao

(ACPC)