Entendimento de mansos e pacíficos

Entendimento de mansos e pacíficos

Os versículos do capítulo “Bem-aventurados os mansos e pacíficos” de “O Evangelho segundo o Espiritismo” foi o tema do “Estudo de versículos do livro O Evangelho segundo o Espiritismo”, na noite do dia 02 de agosto, desenvolvido por Marcos Antonio Serrasqueiro. Em seguida houve momento para diálogo sobre o tema. Cesar Perri fez a coordenação do estudo e Carmine Maglio Neto, pelo CCDPE, fez administração técnica; as preces foram proferidas, na abertura por Deusa Samu e no encerramento por Rosana Guimarães. Esse estudo estava interrompido durante o mês de julho. Trata-se de programa virtual do Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa do Espiritismo, de São Paulo. As reuniões são realizadas sempre às terças-feiras, das 20h às 21h, utilizando a plataforma Google Meet, em formato on-line.

Benedita Fernandes em Exposição em São Paulo

Benedita Fernandes em Exposição em São Paulo

    

Uma área sobre Benedita Fernandes foi incluída na Exposição Arte, Cura e Ciência no Cultural dos Correios, no centro da cidade de São Paulo (Vale do Anhangabaú esquina com Av. São João), desde 21 de junho até 12 de agosto. Há telas de vários artistas, vídeo e a reprodução de uma casinha de madeira do trabalho inicial de Benedita. Cesar Perri, autor do livro “Benedita Fernandes. A dama da caridade” (Ed.Cocriação, Araçatuba) visitou a Exposição no dia 1o de agosto e gravou sua impressão (vide link abaixo). Estiveram em visita à Exposição Sirlei Nogueira, de Araçatuba, na abertura, e, Ismael Gobbo (do Boletim de Notícias Espíritas) em outra oportunidade. A idealização e criação do projeto é da Lesiane Lazzarotti e a curadoria de Luiz Badia. O Projeto é dividido em três partes: Arte, Cura e Afeto (focando trabalho Dra. Nise, Kandinsky, nas terapias com arte e animais e na música); a segunda parte se chama: Arte, Cura e Ciência (trazendo em arte os estudos do médico neurocientista Dr. Sergio Felipe de Oliveira; e a terceira parte: Arte, Cura e Espiritualidade, contando a história de Benedita Fernandes, a “Dama da Caridade”.

Acesse pelo link:

Foco no Pinga-Fogo com Chico Xavier na TV Tupi

Foco no Pinga-Fogo com Chico Xavier na TV Tupi

Os 51 anos do histórico “Pinga-Fogo” com Chico Xavier transmitido pela antiga TV Tupi de São Paulo nos dias 27/28 de julho de 1971, foram focalizados por Cesar Perri em programa de encerramento da série sobre Chico Xavier na Estação Dama da Caridade Benedita Fernandes. No dia 30 de julho, o expositor historiou a origem, o contexto e os temas desenvolvidos no programa marcante da TV brasileira.

Acesse pelo link:

Teresina focaliza Paulo de Tarso na visão histórica e espiritual

Teresina focaliza Paulo de Tarso na visão histórica e espiritual

O Centro Espírita Paulo de Tarso, de Teresina (Piauí), promoveu uma palestra virtual com Cesar Perri (São Paulo) no dia 30 de julho. Pelo canal no Instagram do Centro, o convidado abordou o tema “Paulo de Tarso – o apóstolo na visão histórica e espiritual”, dentro das comemorações dos 80 anos de lançamento do romance “Paulo e Estêvão”, de Emmanuel, psicografia de Chico Xavier.

Acesse pelo link (copie e cole):

https://www.instagram.com/tv/Cgpwx49oHWU/?igshid=MDJmNzVkMjY=

Romance histórico completa 80 anos – tema para o Rio de Janeiro

Romance histórico completa 80 anos – tema para o Rio de Janeiro

A convite dos Centros Espíritas “A Caminho da Luz” e “Amor e Luz de Maria Madalena”, ambos do Rio de Janeiro e em transmissão conjunta, Cesar Perri (SP) desenvolveu na noite do dia 29 de julho o tema sobre os 80 anos do lançamento do romance “Paulo e Estêvão”, de Emmanuel, psicografia de Chico Xavier. Em seguida houve momento de diálogo, coordenado por Mauro Baptista (Amor e Luz), e com atuação de Marcos Fonseca e Luiz Erruas (A Caminho da Luz).

Acesse pelo link:

90 anos de “Parnaso” em webTV de Belo Horizonte

90 anos de “Parnaso” em webTV de Belo Horizonte

Os 90 anos de lançamento da obra pioneira de Chico Xavier – “Parnaso de Além Túmulo” foi o tema desenvolvido por Cesar Perri em programa da webTV Gênese da Fraternidade de Estudos Espíritas Allan Kardec, de Belo Horizonte, em parceria com a RAETV. O convidado focalizou o contexto do lançamento em julho de 1932, suas repercussões e o conteúdo da obra poética; também relatou sobre bem humorada dedicatória de Chico para o expositor em livro da 1a edição. Essa transmissão realizada no final da tarde do dia 29 de julho foi coordenada por Carlos Alberto Braga Costa.

Acesse pelo link:

Benedita Fernandes em “Diálogos de corpo e alma” em São Paulo

Benedita Fernandes em “Diálogos de corpo e alma” em São Paulo

Antonio Cesar Perri de Carvalho (*)

A exposição paulistana “Diálogos de Corpo e Alma”, no Centro Cultural Correios de São Paulo, focaliza a cura através da arte, da espiritualidade e da ciência com mostras de diversos artistas, que vão desde a pintura, escultura, instalações e videoarte.

Os promotores informam: “A mostra se expande através de salas temáticas que apresentarão diferentes caminhos da cura. A cura através da ciência enfatiza o trabalho do dr. Sérgio Felipe de Oliveira, médico e pesquisador, renomado estudioso da glândula pineal, que desbravou caminhos desconhecidos, curando diversos pacientes através de suas descobertas revolucionárias. O processo da arte e a utilização de animais como instrumentos auxiliares nas terapias, surge com o inovador trabalho da psiquiatra Nise da Silveira e aspectos da vida de vários personagens. A história de Benedita Fernandes (A Dama da Caridade) filha de escravos libertos que dedicou sua vida pelo bem social na primeira metade do século 20 no interior de São Paulo) interpretada em tela e co, aspectos espirituais relevantes (independentes de religião)”.

A artista plástica Lesiane Lazzarotti Ogg, criadora da exposição, vem realizando coletivas similares e a curadoria é do artista Luiz Badia.

A exposição foi iniciada no dia 21 de junho e se encerrará no dia 12 de agosto no Centro Cultural Correios de São Paulo, um prédio centenário belíssimo e bem conservado, localizado no centro antigo de São Paulo, no Vale do Anhangabaú esquina com a Av. São João. A visita é gratuita.

Uma área grande – Arte, Cura e Espiritualidade – é dedicada a Benedita Fernandes com registros de momentos da pioneira da assistência social espírita em Araçatuba, onde fundou a Associação das Senhoras Cristãs aos 06/03/1932. Há telas de vários artistas e vídeo sobre o vulto e a reprodução de uma casinha de madeira, típica do trabalho inicial de Benedita, atendendo na época, os chamados “loucos”. Benedita, curada por espíritas de obsessão passou a se dedicar ao atendimento de doentes mentais e crianças abandonadas. Assim surgiu o Sanatório, depois Hospital Psiquiátrico Espírita Benedita Fernandes, mais recentemente desdobrado em vários CAPS – Centro de Atenção Psicossocial em Araçatuba.

Essas informações se encontram em nosso livro: “Benedita Fernandes. A dama da caridade” (Ed.Cocriação, Araçatuba), e no filme que o utiliza como enredo “Benedita, uma heroína invisível. O legado da Superação”, produzido por Sirlei Nogueira, que teve uma pré-estreia em Araçatuba e será lançado em cinemas.

Sirlei Nogueira compareceu na abertura da Exposição e Ismael Gobbo, originário de Araçatuba e editor do Boletim de Notícias do Movimento Espírita, também a visitou.

Entre as várias telas, elaboradas por diversos artistas, a intitulada “Cáritas”, de Sandra Nunes, está exposta juntamente com a frase: “O antídoto para qualquer tipo de violência é sempre o amor, tal como o estímulo aos estados agressivos decorre do egoísmo” (de Benedita, psicografia de Divaldo Pereira Franco, de nosso livro acima já citado).

Como autor da biografia sobre Benedita sentimos alegria e emoção ao visitar a Exposição no centro capital paulista, com destaque à mulher afro-descendente, inculta, simples e despojada que superou incontáveis dificuldades e se tornou um vulto marcante no movimento espírita e na história dos hospitais psiquiátricos espíritas do Estado de São Paulo.

(*) – Foi dirigente em Araçatuba, ex-presidente da FEB e da USE-SP.

Publicado no Boletim de Notícias do Movimento Espírita, dia 04/08/2022.

PÁGINA DO MOÇO ESPÍRITA CRISTÃO

PÁGINA DO MOÇO ESPÍRITA CRISTÃO

"Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis na palavra, no trato, na caridade, no espírito, na fé e na pureza". Paulo (I Timóteo, 4:12)

Meu amigo da cristandade juvenil, que ninguém te despreze a mocidade.

Este conselho não é nosso. Foi lançado por Paulo de Tarso, o grande convertido, há dezenove séculos.

O apóstolo da gentilidade conhecia o teu soberano potencial de grandeza. A sua última carta, escrita com as lágrimas quentes do coração angustiado, foi também endereçada a Timóteo, o jovem discípulo que permaneceria no círculo dos testemunhos de sacrifício pessoal por herdeiro de seus padecimentos e renunciações.

Paulo sabia que o moço é o depositário e realizador do futuro.

Em razão disso confiava ao aprendiz a coroa da luta edificante.

Que ninguém, portanto, te menoscabe a juventude, mas não te esqueças de que o direito, sem o dever, é vocábulo vazio.

Ninguém exija sem dar ajudando e sem ensinar aprendendo sempre.

Sê, pois, em tua escalada do porvir, o exemplo dos mais jovens e dos mais velhos que procuram no Cristo o alvo de suas aspirações, ideais e sofrimentos.

Consagra-te à palavra elevada e consoladora.

Guarda a bondade e a compreensão no trato com todos os companheiros e situações que te cercam.

Atende à caridade que te pede estímulo e paz, harmonia e auxílio para todos.

Sublima o teu espírito na glória de servir.

Santifica a fé viva, confiando no Senhor e em ti mesmo, na lavoura do bem, que deve ser cultivada todos os dias.

Conserva a pureza dos teus sentimentos a fim de que o teu amor seja invariavelmente puro, na verdadeira comunhão com a Humanidade.

Abre as portas de tua alma a tudo o que seja útil, nobre, belo e santificante e, de braços devotados ao serviço da Boa-Nova, pela Terra regenerada e feliz, sigamos com a vanguarda dos nossos benfeitores ao encontro do Divino Amanhã.

Emmanuel

(Xavier, Francisco Cândido. Pelo espírito Emmanuel. Segue-me. Matão: O Clarim).

Juventude – alertas sobre contextos sociais e espirituais

Juventude – alertas sobre contextos sociais e espirituais

Antonio Cesar Perri de Carvalho

Como vivemos intensamente o período das mocidades espíritas e a partir delas iniciamos nossa trajetória espírita, podemos fazer uma reflexão que envolve várias décadas de vivência e observações.1

A nossa visão atual é que tem havido evidente diminuição na existência e atuação do segmento jovem no movimento espírita. Desde o auge das ações dos jovens espíritas no Brasil, entre os anos 1950 e 1960, muitos fatores influíram na sociedade e com reflexos no movimento espírita.

Dados estatísticos do Brasil, até quando foi realizado o Censo Nacional, em 2010, evidenciam que, entre os segmentos religiosos, a faixa etária jovem cresce bem menos entre os espíritas. No período em que estávamos como um dos responsáveis pelo Conselho Federativo Nacional da Federação Espírita Brasileira estimulamos a discussão e houve uma decisão no ano de 2010 de que “o tema juventude espírita deve ser amplamente analisado, levando-se em consideração os aspectos sociológicos, psicológicos, antropológicos e educacionais dos tempos atuais e suas relações e impactos com o Movimento Espírita”. Esse projeto evoluiu nos anos imediatos e durante nossa gestão na presidência da FEB foi concretizada a “Confraternização Brasileira de Juventudes Espíritas”, inicialmente da região Centro (2013), desenvolvida de maneira dinâmica com oficinas de trabalho, palestras e apresentações teatrais e musicais. Posteriormente, embora repetida em outras regiões, ocorreram alterações e não aconteceu a ampla análise sobre juventude.1

O contexto social foi profundamente transformado, superando-se muitas tradições e até pressões religiosas, e, em função da proliferação do ensino universitário, desenvolvimento tecnológico e acesso amplo aos meios de informação o jovem atual apresenta perfis e tendências muito diferentes dos vigentes em meados do Século XX. Nas empresas, algumas atividades especializadas são atualmente operacionalizadas e dirigidas por pessoas jovens.

Em época de estímulos ao conhecimento, ao empreendedorismo e várias formas de inclusão, muitas instituições espíritas tratam os jovens de maneira quase infantilizada. Há incompreensões e impasses, pois muitos dirigentes de nossos dias trazem maneiras de pensar e reagir mais vinculadas às características de décadas passadas.

Praticamente corroborando nossas observações, mas apontando para um cenário muito mais amplo, veio a lume no início de maio de 2022 o resultado de pesquisa sobre a religiosidade do segmento mais jovem do país.

Essa recente pesquisa do Datafolha2 mostra que entre os jovens de 16 a 24 anos, o percentual dos sem religião chega a 25% em âmbito nacional. Especificamente no Rio de Janeiro e São Paulo, o crescimento dos brasileiros que se dizem "sem religião" é ainda mais marcante, particularmente entre os jovens. Os sem religião na faixa etária de 16 a 24 anos são numerosos: em São Paulo chegam a 30% dos entrevistados, superando evangélicos (27%), católicos (24%) e outras religiões (19%); no Rio de Janeiro, chegam a 34%, também acima de evangélicos (32%), católicos (17%) e demais religiões (17%). Os responsáveis pela pesquisa comentam que entre os fatores que podem explicar esse cenário há o aumento de famílias plurirreligiosas e a ampla rede de múltiplas fontes de informação, completamente diferente das faixas etárias, por exemplo, dos idosos, “cuja sociabilidade muitas vezes é restrita à família e à igreja”. Em contato com sociólogos e pesquisadores do Instituto Superior de Estudos da Religião, trabalham com a hipótese de que "A maior parcela dos sem religião tem a ver com uma desinstitucionalização, o que quer dizer que o sujeito está afastado das instituições religiosas, mas ele pode ter uma visão de mundo e até mesmo práticas pessoais informadas por crenças religiosas". Há opiniões de acadêmicos que "há uma trajetória de busca e experimentação que foi colocada para as novas gerações que não era colocada para as antigas"; seriam “são outros modos de ter fé".2

Portanto, fica cada vez mais claro que há profundas mudanças no cenário social e que as instituições espíritas precisam se adequar às novas realidades. Por outro lado, em uma vertente totalmente distinta, mais conhecida pelo ambiente espírita, dispomos de mensagens espirituais assinadas por jovens pelo processo da psicografia. Nos anos 1970 e 1980 foram publicadas mensagens de jovens psicografadas por Chico Xavier, como Jovens no além3, em que vários jovens desencarnados se propõem a auxiliar “a escolher o melhor caminho e a pensar com acerto, em qualquer ângulo espacial a que nos ajustemos ou em qualquer faixa etária de nossa evolução”.

No presente ano veio a lume o livro Juventude interrompida. Relatos e alertas dos jovens do além4, contendo mensagens espirituais que representam um autêntico brado de alerta para as famílias e para as instituições espíritas. Essa recente obra reúne mensagens de 24 jovens desencarnados, psicografadas em reuniões da Federação Espírita do Estado do Espírito Santo. Conta com prefácio de Rossandro Klinjey. O objetivo “é esclarecer a respeito de temas que estão presentes na vida da juventude”. Assim, foram selecionadas mensagens que tratam de temas como: aborto, Aids e IST, dependência do álcool, distúrbios alimentares e conflitos de autoimagem, doenças cármicas, fatalidades, mortes violentas, overdose, suicídio e violência familiar. Nas considerações ao final da obra, o presidente da FEEES Fabiano Santos de Campos destaca que pretenderam “trazer à reflexão temas que precisam servir de base para o estudo e conhecimento de parcela significativa daqueles que ainda vêem a existência circunscrita a uma única chance propiciada pela divindade” e com o alerta de “a morte não existe”.4

A nova realidade de compreensão de “outros modos de ter fé”, de “famílias plurirreligiosas” e tendências de desinstitucionalização, apontadas por pesquisadores ao analisarem a pesquisa do Datafolha, e, o forte conteúdo das mensagens de espíritos que tiveram sua “juventude interrompida” deve representar um alerta severo para que as instituições espíritas analisem todo esse contexto da atualidade. Kardec considera que a “nova geração marchará para a realização de todas as ideias humanitárias compatíveis com o grau de adiantamento ao qual tenha chegado.”5 

Todavia há grandes desafios para se abrir espaço no movimento espírita, desde sua base nos centros, para que haja condições de se compreender os problemas atualmente vividos pela juventude, superando-se os tabus que impedem a abordagem de temas complexos como os relatados pelos jovens desencarnados no recente livro citado. E, sem dúvida, efetivamente abrir-se espaço para o protagonismo juvenil nas instituições. Até na forma de abordagem de conteúdos doutrinários e no tempo de duração de palestras, deveriam ocorrer alterações para que o público alvo mais jovem se sinta motivado a participar de estudos e de atividades de divulgação do Espiritismo. O adulto pode ter experiência; mas o jovem pode ter mais condições para o dinamismo, e, juntos elaborarem propostas de adequações aos tempos atuais. As duas vertentes deveriam se integrar e somar esforços para a atualização e dinamização das instituições espíritas, sem trâmites burocráticos formais, típicos de hierarquização.

Os tempos conturbados requerem providências rápidas e prudentes!

O autor foi presidente da FEB, da USE-SP e membro da Comissão Executiva do CEI.

Referências:

1) Carvalho, Antonio Cesar Perri. Pelos caminhos da vida. Memórias e reflexões. Araçatuba: Cocriação. 2021. 632p.

2) Jovens sem religião superam católicos e evangélicos: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2022/05/09/jovens-sem-religiao-superam-catolicos-e-evangelicos-em-sp-e-rio.ghtml; consulta em 23/05/2022.

3) Xavier, Francisco Cândido; Ramacciotti, Caio; espíritos diversos. Jovens no além. São Bernardo do Campo: GEEM. 1975. 223p.

4) Autores diversos. Juventude interrompida. Relatos e alertas dos jovens do além. Matão: Casa Editora O Clarim. 2022. 368p.

5) Kardec, Allan. Trad. Imbassahy, Carlos de Brito. A gênese. Cap. 18. São Paulo: FEAL. 2018.

(Matéria publicada na Revista Internacional de Espiritismo, Ano XCVII, n.6, Julho de 2022, p.288-290)

Aylton Paiva: respeito à natureza e homenagens pelo aniversário

Aylton Paiva: respeito à natureza e homenagens pelo aniversário

Aylton Paiva, de Lins, no dia 26 de julho, focalizou itens sobre a lei de conservação, de “O livro dos espíritos” dentro da série de programas “Espiritismo e política: as leis morais”, que desenvolve às 3as feiras a noite, pela Estação Dama da Caridade Benedita Fernandes. Na segunda parte foi alvo de homenagens pela passagem de seu aniversário, com mensagens da esposa Maria Eny, filhos, netos, dirigentes como Arquimedes Brumati (Lins), José Mauro (Bauru), Cesar Perri (São Paulo), amigos esperantistas e mensagens pelo chat. O programa é coordenado por Fátima Montello. Aylton Paiva é autor do livro “Espiritismo e política. Contribuições para a evolução do ser e da sociedade”, editado pela FEB.

Acesse pelo link: