O pai espiritual de Chico Xavier

O pai espiritual de Chico Xavier

Antonio Cesar Perri de Carvalho

A leitura atenta do romance histórico inicial de Emmanuel fica evidenciado um aspecto acima de tudo paternal. Na vida de Chico Xavier, o seu orientador atua como um pai espiritual. Aliás, coerente com as necessidades de ajustes espirituais que redundaram da vivência de ambos no Século I, na relação de pai e filha, bem descritos em Há dois mil anos.

Por isso, são interessantes algumas observações do médium com relação a seu guia espiritual. O respeito que Chico nutria por Emmanuel transpareceu em inúmeros momentos, desde a orientação inicial da “disciplina” junto ao açude de Pedro Leopoldo. Emmanuel mantinha o médium dentro do planejamento espiritual, com prioridade para os livros.

No transcorrer o primeiro programa “Pinga Fogo” Chico fez o depoimento:

“Emmanuel tem sido para mim um verdadeiro pai na Vida Espiritual, pelo carinho com que me tolera as falhas e pela bondade com que repete as lições que devo aprender. Em todos esses anos de convívio estreito, quase diário, ele me traçou programas e horários de estudo, nos quais a princípio até inclui datilografia e gramática, procurando desenvolver os meus singelos conhecimentos de curso primário, em Pedro Leopoldo, o único que fiz até agora, no terreno da instrução oficial. […] O tempo de convivência com o Espírito de Emmanuel, nosso guia, parece que criou entre ele e eu um processo de conhecimento e palavra por osmose. Vão me perdoar… eu não sei definir o problema. Sei que ele está presente, mas ele não permite que faça muitas observações mediúnicas, para que eu me mantenha estritamente dentro do programa e não com qualquer distração para observações marginais.” 1

Há inúmeros casos relatados na literatura espírita e no filme “Chico Xavier” (2010) evidenciando a presença marcante de Emmanuel na vida de Chico, alguns jocosos, mas todos claramente educativos.

Pouco recordado é o relato Ramiro Gama, amigo do médium dos tempos de Pedro Leopoldo, sobre um conhecido confrade de São Paulo que certa feita chegou ao Centro Espírita Luiz Gonzaga. Abraça o médium e diz: “- Vim de São Paulo especialmente para lhe dar um beijo. E dando-lhe o beijo na face, conclui: beijando-o, tenho a impressão de que beijei seu querido Guia Emmanuel. E o Chico com toda candidez e humildade: – Não, meu caro Irmão, você não beijou Emmanuel mas sim o seu burrinho, que sou eu”.2

Particularmente, ouvimos comentários muito significativos durante visitas que fizemos ao médium em Uberaba. Em visita a Chico Xavier em sua residência, em janeiro de 1977, cerca de dois meses após sofrer um enfarte, ouvimos sobre a advertência do pai espiritual enérgico. Chico mostrou-nos a quantidade de medicamentos que estava utilizando. Sempre fazendo brincadeiras dizia, sorrindo, que estava escravo deles… Porém, ficando sério, contou ao grupo de visitantes que, certa feita, contrapondo-se a momentos passageiros de desânimo, Emmanuel afirmou-lhe incisivo: "A vida é dura para quem é mole…"3

E não parou por aí. Chico estava acamado, em convalescença após o enfarte e, segundo ele próprio, preocupado com seu estado e suas atividades. Emmanuel surgiu e saindo daquela costumeira linguagem evangélica de seus livros, disse-lhe: "Saia dessa cama senão você irá para a tumba!" Chico esforçou-se mais ainda no processo de recuperação e de retorno aos seus afazeres. Sempre de bom humor, naquele mesmo dia Chico comentou que não seria daquela vez que partiria e que não era o desejo dele também: "Partir agora e depois perder uns vinte anos de bobeira na nova reencarnação até começar trabalhar, eu prefiro continuar trabalhando agora…"3

Realmente, Chico sobreviveu mais 25 anos dedicados ao trabalho mediúnico.

Meses depois, em outra visita ao médium, acompanhávamos a "peregrinação" no bairro dos Pássaros Pretos. Estávamos ao lado de Chico e sua equipe de colaboradores. Chico entregava pães e dirigia palavras de bom ânimo aos necessitados que se postavam em fila. A certo momento, alguém fez alguma reclamação sobre saúde. Chico fez, então, rápido comentário para os circunstantes, chamando atenção de que ele não era nenhum privilegiado: "Na minha infância, sofria castigos físicos aplicados pela minha madrasta. Ainda jovem fiquei cego de um olho e tenho muitas dores e trato o outro há muitos anos. Submeti-me a algumas cirurgias médicas e, há pouco, sofri um enfarte. Um dia cansado de tantos tratamentos, pedia forças. Emmanuel apareceu e disse-me: – Você veio para ser tratado e não para ser curado…"3

Referências:

1) Gomes, Saulo (Org.). Pinga-fogo com Chico Xavier. 1.ed. Catanduva: Intervidas. 2010. 269p.

2) Gama, Ramiro. Lindos casos de Chico Xavier. 5.ed. São Paulo: LAKE. 246p.

3) Carvalho, Antonio Cesar Perri. Chico Xavier – o homem, a obra e as repercussões. 1.ed. Capivari: EME, São Paulo: USE-SP. 2019. 223p.

 

Ex-Presidentes – Inaugurada Galeria na USE-SP

Ex-Presidentes – Inaugurada Galeria na USE-SP

Num intervalo da reunião do Conselho Deliberativo Estadual da União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo do dia 8 de dezembro, foi inaugurada a Galeria dos Ex-Presidentes da USE-SP, em sua sede em São Paulo. Houve descerramento pelo dirigente Sílvio Costa, manifestações da presidente interina Rosana Gaspar e do presidente da FEESP Roberto Watanabe. Este fez referência aos que foram dirigentes da USE-SP e da FEESP. Em seguida, falaram os dois ex-presidentes: Antonio Cesar Perri de Carvalho, que homenageou o ex-presidente Attílio Campanini, que teve atuação conjunta em suas três gestões, e, Júlia Nezu, homenageando os ex-presidentes com quem trabalhou: Cesar Perri, Attílio Campanini e José Antonio Luiz Balieiro. A USE-SP completou 72 anos de funcionamento em junho de 2019.

Os livros dos espíritos

Resenha

Os livros dos espíritos

A Editora EME acaba de lançar Os livros dos espíritos, de autoria de Luís Jorge Lira Neto, e, contando com parceria editorial do Centro de Pesquisa e Documentação Espírita e do Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa Espírita Eduardo Carvalho Monteiro, ambos de São Paulo. O autor atua em Recife e antes dessa edição completa, apresentou seu estudo em dois ambientes de discussão e análise: no Centro de Pesquisas e Documentação Espírita (em São Paulo) e em encontro da Liga de Pesquisadores do Espiritismo, realizado em Fortaleza. O livro conta com Prefácio assinado por Wilson Garcia, que destaca “Kardec teve participação fundamental no seu desenvolvimento, estando muito acima de um simples repassador de pensamentos alheios, ainda que estes pensamentos tenham por origem os Espíritos Superiores”.

O autor fez um estudo detalhado das primeiras edições de O livro dos espíritos lançadas por Allan Kardec, efetivando uma análise comparativa entre as edições 1ª, 2ª até a 16ª e entende que “a participação de Kardec na elaboração da Codificação Espírita foi abrangente, o que contradita a opinião de considerar somente as respostas como ensino dos Espíritos Superiores, reduzindo as perguntas e os ‘comentários de Kardec’ a complemento desses ensinamentos”. Além da relação das Referências Bibliográficas, no final, o autor acrescenta Anexos, como: “Informes na Revista Espírita sobre as edições de O livro dos espíritos”, “Breve biografia dos espíritos que assinaram O livro dos espíritos”, “Correlação entre as perguntas da 1ª e 2ª edição” e ainda um Quadro Geral sobre estas duas edições iniciais.

Trata-se importante livro para estudo, num época em que se valorizam as pesquisas de documentos sobre a vida e obra de Kardec, favorecendo a compreensão sobre a amplitude que o pensamento do Codificador foi progredindo à medida que recolhia informações e aprofundava reflexões a partir de novas mensagens oferecidas pelos espíritos.

(Lira Neto, Luís Jorge. Os livros dos espíritos. Uma análise comparativa entre as edições 1ª, 2ª até a 16ª. Capivari: Ed. EME. 2019. 144p)

Contatos: (19) 3491-7000.

Viver melhor

Viver melhor

Todos queremos ser felizes, viver melhor.

Entretanto, ouçamos a experiência.

A felicidade não é um tapete mágico.

Ela nasce do bem que você espalhe, não daqueles que se acumulam inutilmente.

Tanto isto é verdade que a alegria é a única doação que você pode fazer sem possuir nenhuma.

Você pode estar em dificuldade e suprimir muitas dificuldades dos outros.

Conquanto às vezes sem qualquer consolação, você dispõe de imensos recursos para reconfortar e reerguer os irmãos em prova ou desvalimento.

A receita de vida melhor será sempre melhorar-nos, através da melhora que venhamos a realizar para os outros.

A vida é dom de Deus em todos.

E quem serve só pra si não serve para os objetivos da vida, porque viver é participar, progredir, elevar, integrar-se.

Se aspiramos a viver melhor, escolhamos o lugar de servir na causa do bem de todos.

Para isso, não precisa você condicionar-se a alheios pontos de vista.. .

Engaje-se na fileira de servidores que se lhe afine com as aptidões.

Aliste-se em qualquer serviço no bem comum.

É tão importante colaborar na higiene do seu bairro ou na construção de uma escola, quanto auxiliar a uma criança necessitada ou prestar apoio a um doente.

Procure a Paz, garantindo a Paz onde esteja.

Viva em segurança, cooperando na segurança dos outros.

Aprendamos a entregar o melhor de nós à vida que nos rodeia e a vida nos fará receber o melhor dela própria.

Seja feliz, fazendo os outros felizes.

Saia de você mesmo ao encontro dos outros, mas não resmungue, nem se queixe contra ninguém.

E os outros nos farão encontrar Deus.

Não julgue que semelhante instrução seja assunto unicamente para você que ainda se acha na Terra.

Se você acredita que os chamados mortos estão em paz gratuita, engano seu, porque os mortos se quiserem paz que aprendam a sair de si mesmos e a servirem também.

André Luiz

(Xavier, Francisco Cândido. Pelo espírito André Luiz. Respostas da Vida. Cap. 4. São Paulo: IDEAL)

Estudo de “Paulo e Estêvão” em São Paulo concluído com confraternização

Estudo de "Paulo e Estêvão" em São Paulo concluído com confraternização

 

O estudo semanal do livro "Paulo e Estêvão", desenvolvido durante o 2o. semestre, foi concluído no dia 3 dezembro, no Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa Espírita de São Paulo. Foi desenvolvido por Antonio Cesar Perri de Carvalho, Célia Maria Rey de Carvalho e Flávio Rey de Carvalho e sempre acompanhado pelos dirigentes do CCDPE Mirna e Pedro Nakano. Ao final de cada reunião de estudo houve um momento de confraternização e no encerramento do estudo, um destes instantes fraternos e de comemoração de aniversários. A equipe já desenvolveu no CCDPE estudos sobre "O Evangelho Segundo o Espiritismo" e "Epístolas de Paulo à luz do Espiritismo" e está programado novo estudo com temáticas semelhantes para 2020. São autores dos livros: "O Evangelho segundo o Espiritismo. Orientações para o estudo" (FEB), co-autores com equipe; e de autoria de Cesar Perri, pela Editora O Clarim: "Epístolas de Paulo à luz do Espiritismo" e "Cristianismo nos séculos iniciais. Análise histórica e visão espírita".

Seminário sobre Paulo de Tarso em Piracicaba

Seminário sobre Paulo de Tarso em Piracicaba

Na tradicional União Espírita de Piracicaba, fundada pelo prof. Walter Radamés Accorsi, na tarde do dia 30 de novembro, houve um seminário sobre o tema "Paulo de Tarso e a aplicação de seus princípios ético-morais na atualidade". Foi desenvolvido por Antonio Cesar Perri de Carvalho (ex-presidente da USE-SP e da FEB) com base em seus livros "Epístolas de Paulo à luz do Espiritismo" e "Cristianismo nos séculos iniciais. Análise histórica e visão espírita" (Ed. O Clarim), autografando-os em seguida. O evento foi coordenado pelo presidente da União, Luiz Dellabio e contou com bom número de participantes, inclusive de vários Centros, e também com um momento de lanche. Arnaldo Camargo, expôs livros da Ed.EME, e proferiu palestra no local, no domingo.

Palestras, estudos e confraternização na Casa do Caminho

Palestras, estudos e confraternização na Casa do Caminho

O Grupo Espírita Casa do Caminho, na Vila Clementino, em São Paulo, mantém vários horários diários de reuniões. No dia 28 de novembro, Célia Maria Rey de Carvalho fez palestra sobre o tema “Bem-aventurados os misericordiosos”, em horário vespertino. No dia 5 de dezembro Antonio Cesar Perri de Carvalho desenvolveu estudo sobre o cap. VII de “Memórias de um suicida”, de Yvonne Pereira, com todos os grupos mediúnicos da Casa. Tradicionalmente ocorrem também reuniões mensais de confraternização dos diversos grupos mediúnicos. Régis Lang é o presidente da Casa do Caminho. Acesso para o estudo sobre “Memórias de um suicida”: procurar no Facebook de Glória Martins Miranda.

De ânimo forte

De ânimo forte

“Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, amor e moderação.” – Paulo. (II Timóteo, 1:7.)

Não faltam recursos de trabalho espiritual a todo irmão que deseje reerguer-se, aprimorar-se, elevar-se.

Lacunas e necessidades, problemas e obstáculos desafiam o espírito de serviço dos companheiros de fé, em toda parte.

A ignorância pede instrutores, a dor reclama enfermeiros, o de-sespero suplica orientadores.

Onde, porém, os que procuram abraçar o trabalho por amor de servir?

Com raras exceções, observamos, na maioria das vezes, a fuga, o pretexto, o retraimento.

Aqui, há temor de responsabilidade; ali, receios da crítica; acolá, pavor de iniciativa a benefício de todos.

Como poderá o artista fazer ouvir a beleza da melodia se lhe foge o instrumento?

Nesse caso, temos em Jesus o artista divino e em nós outros, encarnados e desencarnados, os instrumentos dEle para a eterna melodia do bem no mundo.

Se algemamos o coração ao medo de trabalhar em benefício coletivo, como encontrar serviço feito que tranqüilize e ajude a nós mesmos?

como recolher felicidade que não semeamos ou amealhar dons de que nos afastamos suspeitosos?

Onde esteja a possibilidade de sermos úteis, avancemos, de ânimo forte, para a frente, construindo o bem, ainda que defrontados pela ironia, pela frieza ou pela ingratidão, porque, conforme a palavra iluminada do apóstolo aos gentios, “Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, amor e moderação”.

Emmanuel

(Xavier, Francisco Cândido. Pelo espírito Emmanuel. Vinha de luz. Cap. 31. FEB)

Grande Centro de Salvador em encerramento de ciclo de palestras

Grande Centro de Salvador em encerramento de ciclo de palestras

Um roteiro de palestras em seis instituições de Salvador foi concluído por Antonio Cesar Perri de Carvalho na noite do dia 28 de novembro, no Centro Espírita Deus, Luz e Verdade, um dos maiores da cidade, em Vila Laura. O tema foi sobre o livro "Chico Xavier – o homem, a obra e as repercussões" (Ed. EME e USE-SP), seguindo-se autógrafos nesta obra. O expositor estava acompanhado do ex-presidente da Federação Espírita do Estado da Bahia Joseval Carneiro e do editor Arnaldo Camargo, da EME. A reunião foi dirigida pela presidente Wanderli Santana Barbosa, também integrando a mesa: Bernadete de Oliveira Santana, fundadora do Centro Espírita Deus, Luz e Verdade, e Joseval Carneiro.